PicPay

Banco brasileiro PicPay está pronto para estrear uma stablecoin e uma exchange de criptomoedas

  • O banco fintech brasileiro PicPay lançará uma stablecoin
  • PicPay também deve estrear uma exchange de criptomoedas

O banco fintech brasileiro PicPay está pronto para lançar uma stablecoin, bem como uma exchange de criptomoedas, de acordo com o comunicado compartilhado com o NeoFeed. Além disso, a empresa criou uma unidade de negócios inteira focada em criptomoedas e Web 3.0.

O PicPay é um dos maiores bancos fintech do Brasil e também possui cerca de 30 milhões de clientes. Com a criação de uma unidade de criptomoedas e web3, a empresa está pronta para lançar vários produtos e serviços baseados na negociação e armazenamento do mundo digital descentralizado.

Conforme NeoFeed, o plano da empresa vai desde a criação de uma exchange para negociação de criptoativos, o desenvolvimento de sua própria stablecoin e um mergulho no universo das NFTs, com um marketplace para usuários. O objetivo da empresa é se tornar uma única empresa que fornece todos os serviços relacionados a ativos tokenizados.

“O Picpay entrará neste mundo com muita força. Não será um produto acessório, será uma linha de negócios muito importante.”

disse Anderson Chamon, cofundador e vice-presidente de produtos e tecnologia do PicPay.

A jornada do PicPay

A jornada começará em um mês com o PicPay lançando a exchange de criptomoedas onde os usuários poderão comprar criptomoedas e armazená-las no banco fintech. Inicialmente, a negociação e o armazenamento começarão com as duas maiores criptomoedas do mercado, Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH), seguidas pelo USDP, uma stablecoin. No entanto, até o final do ano, o banco fintech brasileiro expandirá a negociação para até 100 moedas.

O segundo passo na jornada será o lançamento de uma stablecoin lastreada em real brasileiro. Chamon acrescentou em seu comunicado que, atualmente, não há stablecoin lastreada em real no mercado e, portanto, o banco fintech se tornará a primeira empresa a realmente lançar uma stablecoin atrelada em uma proporção de 1:1 com o real brasileiro.

“Você não precisará ser usuário do PicPay para usar esta stablecoin. Você pode ser um turista vindo para o Brasil, pegar Paypal ou outra carteira digital, comprar BRC em uma bolsa e usar no mercado brasileiro.”

disse Chamon.

A stablecoin será nomeada Brazilian Real Coin (BRC) e o PicPay pretende listá-la em todas as principais bolsas do mundo. A empresa também pretende permitir que os clientes usem criptoativos para pagar em uma padaria ou cafeteria e usá-los em sua vida diária até o final do ano.

Avatar
Parth Dubey Verificado

Jornalista cripto com mais de 3 anos de experiência em DeFi, NFT, metaverso, etc. Parth trabalhou com grandes meios de comunicação no mundo cripto e financeiro e ganhou experiência e conhecimento em cultura criptográfica depois de sobreviver a mercados de baixa e alta ao longo dos anos.

Últimas notícias