China

China reprime 12.000 identificadores de mídia social focados em cripto

  • Um regulador com sede na China reprimiu fortemente as contas de mídia social focadas em criptomoedas, varrendo cerca de 12.000 delas.
  • A Administração do Ciberespaço da China (CAC) visa tornar o país livre de criptomoedas por meio de uma nova campanha de limpeza que introduziu recentemente.

Uma autoridade reguladora chinesa recentemente varreu 12.000 contas de mídia social relacionadas a criptomoedas em seus esforços para tornar o país livre de criptomoedas por meio de uma nova campanha de limpeza lançada desde o início do comércio e mineração de criptomoedas no ano passado.

Aumentando sua repressão à indústria de criptomoedas, a Administração do Ciberespaço da China (CAC) ordenou que as plataformas de mídia social do país apreendessem 12.000 contas relacionadas a ativos digitais, disse o regulador da Internet em sua conta WeChat na terça-feira.

Notavelmente, os perfis de mídia social excluídos estão espalhados por vários sites, incluindo Weibo, Baidu e WeChat da Tencent Holdings. O CAC informou que mais de 51.000 tópicos ilegais com informações como “ganhar dinheiro fácil investindo em Bitcoin” também foram retirados das plataformas de mídia social em conformidade com as leis relevantes.

Além disso, 105 sites que “exageraram” criptomoedas e forneceram tutoriais para compra, venda e mineração de moeda virtual também foram derrubados pelo regulador.

O CAC disse em comunicado que as contas encerradas estavam enganando os usuários da Internet ao "orientá-los" a investir em ativos digitais "em nome da inovação financeira e do blockchain".

As plataformas da Internet, de acordo com o regulador, devem continuar tomando medidas rigorosas para proibir a especulação com criptomoedas, enquanto intensificam os esforços para remover contas de usuários e conteúdo relacionado ao investimento em criptomoedas.

A ação recente faz parte de uma nova campanha que o CAC iniciou recentemente para combater o “caos” da especulação de criptomoedas porque os internautas que ficaram “confusos” com a vaga afirmação de grandes lucros sofreram perdas significativas com o comércio de criptomoedas.

Avisos constantes

Na China, onde a mineração e o comércio de tokens baseados em blockchain foram brutalmente banidos no ano passado, o espaço para atividades relacionadas a criptomoedas está diminuindo constantemente, intensificado pelos repetidos avisos do governo após uma queda do mercado.

O Financial Regulatory Bureau of Shenzhen emitiu um aviso em junho de que negociar e especular em criptomoedas ameaçava diretamente a “segurança da propriedade” das pessoas, perturbava o sistema financeiro e encorajava atividades criminosas.

Depois de declarar em maio que o LUNA/UST acabou “comprova a ação oportuna e eficaz [da China]”, o Economic Daily, um jornal controlado pelo Comitê Central do Partido Comunista, alertou os investidores em junho para tomar cuidado com o risco de os preços do Bitcoin “direcionarem para zero”.

Uma luz de esperança: Web3

Embora muitos entusiastas locais de criptomoedas e empresários se mudaram para o exterior nos últimos anos, devido à repressão constante, alguns veem uma luz de esperança para o futuro da indústria nacional, pois as autoridades locais se comprometem a apoiar o desenvolvimento da Web3.

Autoridades na China, incluindo as de Pequim e Xangai, adotaram o conceito popular em um esforço para acelerar o desenvolvimento de blockchain, apesar do fato de que os aplicativos Web3 frequentemente envolvem criptomoedas e tokens não fungíveis (NFTs).

Avatar
Parth Dubey Verificado

Jornalista cripto com mais de 3 anos de experiência em DeFi, NFT, metaverso, etc. Parth trabalhou com grandes meios de comunicação no mundo cripto e financeiro e ganhou experiência e conhecimento em cultura criptográfica depois de sobreviver a mercados de baixa e alta ao longo dos anos.

Últimas notícias